Todo profissional de logística ou de Comércio Internacional já deve ter ouvido falar na sigla Incoterms. Além desse termo ser importantíssimo nesse ramo, ele também pode trazer alguns desembaraços para quem busca investir em exportação.

Os International Commercial Terms (Incoterms) consistem em normas internacionais padronizadas que regulam alguns aspectos do comércio internacional de produtos. Elas determinam quem paga o frete da mercadoria, o ponto de entrega, o responsável pelo seguro da carga e outros aspectos pertinentes.

É relevante ressaltar que as normas determinadas pelos Incoterms são aplicadas somente entre exportadores e importadores. Os intermediários e agentes paralelos como transportadores, despachantes e seguradoras, não são compreendidos pela regulação dos termos.

Como surgiram?
Os Incoterms foram criados em 1936 pela Câmara de Comércio Internacional (CCI). A sua criação foi feita para acabar com as indefinições e conflitos recorrentes no comércio internacional, por conta de erros de interpretação de contratos, medidas e outras diferenças estruturais nos processos de negociação.

Qual a importância?
Eles são muito importantes para que a empresa que vende para o exterior possa calcular e gerenciar todos os seus gastos com a negociação. Essas normas visam solucionar vários conflitos entre exportadores e importadores, que possam ocorrer por erros de interpretação nos contratos. Pode-se dizer que, as normas surgiram para facilitar e diminuir os ruídos de comunicação entre esses dois públicos. A escolha dos Incoterms é feita por negociação entre as partes e é imprescindível para a precificação dos produtos.

Os termos são representados por códigos compostos de três letras. Eles são divididos em quatro categorias. Nos próximos tópicos serão apresentadas as principais características de cada categoria:

E (EXW)
O grupo que inicia pela letra “E” significa que o produto será entregue ao comprador em um determinado local. Esse grupo possui apenas um termo, o EXW, também conhecido como “Ex-Works (Antigo Trabalho)”. Portanto, o grupo “E”, diz que o produto deve ser retirado pelo comprador no depósito do vendedor.

F (FCA, FAS e FOB)
Os termos que fazem parte da categoria “F” indicam que o vendedor se responsabilizará em entregar o produto a um transportador contratado pelo comprador, que fará o transporte principal, se responsabilizando, portanto, por isso. Os termos do grupo “F” são:

• FCA – Free Carrier (Transporte Livre);
• FAS – Free Alongside Ship (Livre no Costado do Navio);
• FOB – Free on Board (Livre a Bordo do Navio);

C (CPT, CIP, CFR e CIF)
Para os termos que iniciam com a letra “C”, o comprador deve saber que o transporte principal será feito pelo vendedor, independente de quem vai arcar com os riscos. Os termos do grupo “C” são:

• CFR – Cost and Freight (Custo e Frete);
• CIF – Cost, Insurance and Freight (Custo, Seguro e Frete);
• CPT – Carriage Paid To (Transporte Pago até);
• CIP – Carriage and Insurance Paid to (Transportes e Seguros Pagos até).

D (DAF, DES, DEQ, DDU e DDP)
Essa é a modalidade mais favorável para quem compra, pois os termos que iniciam com a letra “D”, de “delivery”, possibilitam que a mercadoria seja entregue em casa ou no local indicado pelo comprador no momento da compra. Os termos do grupo “D” são:

• DAF – Delivered At Frontier (Entregue na Fronteira);
• DAT – Delivered At Terminal (Entregue no Terminal);
• DAP – Delivered At Place (Entregue no Lugar);
• DES – Delivered Ex-Ship (Entregue no Navio);
• DEQ – Delivered Ex-Quay (Entregue no Cais);
• DDU – Delivered Duty Unpaid (Entregues Direitos Não pagos);
• DDP – Delivered Duty Paid (Entregue Direitos Pagos).

Para entender mais sobre cada Incoterm, dentro de suas categorias, acesse: http://www.bb.com.br/docs/pub/dicex/dwn/IncotermsRevised.pdf

Com essa breve explicação, fica mais simples entender alguns dos passos necessários para se inserir no mercado de importação e exportação. Investir nesse cenário, pode ser um negócio extremamente lucrativo, mas é necessário se aprimorar e ficar atento a alguns detalhes. Uma sugestão é sempre acompanhar a cotação do dólar e de outras moedas importantes para saber como se comportar diante de seus concorrentes. Conheça bem quem divide esse mercado com a sua empresa para oferecer diferenciais em relação à concorrência.

Exportar é um processo que envolve o cumprimento de uma série de regras, legislações e processos burocráticos, por isso, tenha sempre profissionais para lhe auxiliar.

A Growover é especialista em importação e exportação e possui uma equipe qualificada para atender toda essa demanda, pois sabe que as empresas necessitam de um acompanhamento próximo e especializado. Também, acredita que as empresas brasileiras têm capacidade e produtos de qualidade para atender as exigências do mercado externo com propriedade, garantia e preços competitivos.

Abra as portas do mundo para novas possibilidades!

Já pensou em exportar?! Veja aqui como tirar proveito disso!